Avançar para o conteúdo principal

Noite fria, num coração frio

Casa cheia, alma vazia. Mudanças em casa, alterações no coração.
Cabeça orientada, coração descoordenado.
De regresso aos jantares sozinha, onde a companhia é uma boa dose de pensamentos e a sobremesa uma taça de dúvidas. Questões são o prato principal.
Haverão dias em que precisaremos de nós mais do que nos outros. E dos outros. Sem querer desprezar aqueles que mais gostamos, há dias em que precisamos de gostar de nós também..
É necessário entender que há porquês que não se entendem quando são explicados. Há outros que não nos precisam de explicar para que os entendamos, porque antes de nos explicarem, nós já entendemos o que havia para entender. À nossa maneira.
Sei de corpo e coração que deva arriscar, mesmo que falhe, mas também sei que penso demais que não devo arriscar. Correr riscos quando, o risco maior está no nosso coração, é doloroso... Já perdi a conta às vezes que limpei os riscos, consertei os estragos e ficou tudo na mesma.. Não quero mais isso. Não é vida para ninguém.
Quero alguém que me dê a mão sem saber se a vou segurar. Assim saberei que está a arriscar em mim, por mim.
Quero alguém que não me dê tudo, só me dê o que tiver para me dar. Sem excessos, porque não preciso.
Reciprocidade, apenas.
Não me lembro do último dia em que me achei dócil, amável, talvez tenha sido há largos anos, não me recordo. Perdi a noção de certos significados de palavras, essas foram uma das que já não vejo em mim, sem rancor! Nada disso, saudades apenas. Saudades de chegar a casa da escola e ainda ter alguém a quem perguntar se teve um bom dia... É nas pequenas coisas que se vê as grandes pessoas. Dóceis e meigas, como eu era...
Estendi a toalha ao acaso e dei de caras com alguém dos desenhos animados, sem cavalo branco mas com armadura de homem. Não esperava, e é exatamente quando não se espera que se encontra tudo. Quando não se procura é que se encontra.
Não é nenhum príncipe encantado mas é dedicado! Tal e qual, como deve ser. Tenho pena que só o tenha conhecido agora, quando não sei ser a mulher dócil e meiga, querida e empenhada, em demonstrar amor em cada esquina.
Estou fria.. Desculpa-me meu querido.. Desculpa não ser capaz de encostar a cabeça no teu ombro em noites de luar e preferir que sejas tu a encostar-te a mim. Desculpa se não te der o abraço super amoroso que tanto mereces.
Sei que a vida é curta e que agora ainda estou de fora, mas vou esforçar-me. Até ao dia que já não restar mais nada a fazer. Não te vou prometer nada quando não tiver a certeza que posso, consigo e quero. Não é por mal, é por medo de falhar. De te falhar.
Se algum dia te falhar, que vai acontecer, perdoa-me, porque te acho muito mais humano e dócil que eu. És muito mais do que aquilo que eu possa dizer.

Quando quiseres escolher um homem, não escolhas aquele que chega de fininho e com o seu cavalo branco. Escolhe o que chega de rompante, cheio de vida e armado em homem. Porque será, um grande homem. Eu escolhi os dois em alturas diferentes, e não me arrependo de nenhum deles.
Contudo, qualquer que seja aquele que escolhas, ama-o. Desfruta-o e aproveita cada dia como um só.

Há uns tempos, numa noite fria coloquei gelo no coração e falhei o copo... Sem querer, mas por mim.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nas asas da incerteza

Miraculosamente, deixe-me ir. Mudei a rota e acho que nunca tinha encontrado um caminho tão certo como este.
Despedi-me de todos os sítios por onde passámos e despedi-me de ti. Calculei as distâncias antes das paragens e cheguei à conclusão que era diariamente a minha trajectória diária. Passar por ti, nos sítios onde fomos felizes.
Deixei de tomar café pela manhã, deixei de frequentar os cafés da zona. Mudei de cidade, encontrei pessoas novas. Mudei por necessidade de sair de mim e da prisão onde estava. Ainda oiço música pela manhã e depois do almoço. Ainda escolho o banco vazio da ponta para que não haja confusão na saída e para que ninguém repare na minha ausência. São das poucas coisas que não mudaram.
Encontrei tantos estranhos que me perdi mas não pude voltar atrás. Mudou maioritariamente as pessoas com quem converso, com quem partilho momentos... Embora ainda haja pessoas que eu visito de propósito, porque a sua companhia é indispensável.
Deixei de ser ingénua ao ponto de achar qu…

Sonhos inacabados

Regressei à idade dos "porquês" porque não consigo entender...
Tenho 60 anos e acho que estou a entrar em decadência... A idade não perdoa mas há coisas que eu própria, não consigo perdoar. Estou desiludida com a vida e sei que a vida está desiludida comigo. Falhei... Fui deixando sonhos para trás, fui escolhendo as coisas à medida que os problemas iam aparecendo, e mal ou bem, iam-se resolvendo, até perceber que hoje, não me sinto realizada com a vida que tenho.
O meu marido acha que eu já não preciso da atenção, da preocupação dele, deixa-me sozinha vezes sem conta. Acha que eu fico sempre bem porque lhe transpareço isso, mas custa-me imenso fingir que está tudo bem quando não está, quando sinto que não está...
Reencontrei o meu namorado da juventude e não gostou que isso tivesse acontecido. Porquê? Há tanta coisa que recordei e que me voltei a rir. Há tanta parte dele que guarda as minhas gargalhadas nos olhos, beijos que ficam na memória e eu acho que o melhor de tudo é rir…

Aguardo pelos reencontros

Estou aterrorizada quando devia estar sossegada envolvida nos pensamentos. Vi os seres mais importantes da construção da minha pessoa partir em busca de mais sabedoria, um futuro melhor, um emprego naquilo que gostam.
Estou muito feliz por eles. Por mim não estou nada, porque fiquei. A vê-los. Através de fotos. Em mensagens que troco com poucos, mas fundamentais. Aqueles que eu não me importo nada de ver e rever, lembrar e relembrar. Os melhores que a vida me deu. Espero também lhes ter dado muito.  A cada dia que passa, acho que já perco quem está quanto mais quem anda por lá. Por lá, nas asas da Faculdade. Tenho plena noção que sou um ser melancólico e sentimentalista para pensar e escrever sobre isto. Ainda não sei bem porquê, vivo intensamente as coisas, todos os momentos, todos os dias. Custa-me imenso já não me cruzar com eles no intervalo do Secundário.  Fiquei para trás por burrice, e ainda hoje não sou capaz de aceitar esse contratempo. Pago muito caro hoje por isso: não os t…