Avançar para o conteúdo principal

Contos de Fadas

Outrora os clássicos contos de fadas, espero que tenham noção que todos vivemos um. Intenso, poderoso, arrebatador. Vivemos um na medida do possível, na medida que deixarmos viver.
Inteiramente e inteiro, como deve ser. Sem o fim à vista. 
Já não sei onde estás, nem com quem estás, mas só espero que estejas bem.
Não sei se algum dia existirá palavra para descrever a dor da indiferença de alguém que queremos bem. Bem e perto. Mas nem de perto nem de longe, está. 
Mantive horas e horas a debater-me sobre os meus erros ou sobre a imensidão de outros que poderia ter cometido em vez daqueles que, na verdade cometi. Ainda assim, não foi um erro. Foi o melhor de mim. O certo às vezes é tão errado, que erramos. Só que fiz o certo e falhei. Parece sempre tudo tão certo quando a felicidade abana os cobertores que nos cobrem. Cobrem dois corações que sabem que o amor é tudo. Mas há falta, dele. Do carinho, da felicidade constante que acaba num instante. Porque é relativo como o tempo... Aquele que já se foi. Mas que fomos tão felizes nesse tempo. Aquele, que já foi... e não volta...
Gostaria de saber ignorar. Ignorar o que vai, e o que fica. 
O que fica acaba por ser aquilo que nos acompanhará para a nossa pequena eternidade. Fica amor, fica a pessoa que conhecíamos, porque mudamos, porque nos moldamos com as situações. Com o sofrimento, fossilizamos a frieza, que é, fica e será permanente e parte integrante da nossa continuação. Por aí... Sabe-se lá por onde.. 
E o que vai, foi o que voou entre os nossos dedos que entrelaçávamos. O vento. E tu, que voaste nele.
E nisto tudo, acabei por ficar também eu. Aqui, bem longe onde me deixaste. Onde quiseste que ficasse.
Garanti a mim mesma, que continuarias a ser o meu Conto de Fadas. O que eu sei que vivi e que me ensinou a amar. Mesmo quem não nos ama. Sem implorar amor de volta. Porque amor não se implora, e amaremos sempre muito mais do que esperamos, e mais do que o outro alguém. Nunca amamos na medida certa. Não é errado, é assim que é.
És mais do que aquilo que achas que sim. E mesmo que te aches muito, isso ainda é pouco.
Sinto-me tão frágil, tão magoada... Não é por culpa de há uns tempos. É por saber que esses tempos, não voltam. É por culpa de agora, por ter feito de tudo, e ter parecido um simples nada. Para as pessoas, falhar é humano, mas desiludir é desumano. Só falhamos, porque tentamos. Percebo que devia ter dado o poder ao tempo, de ser como ele quisesse, de ser quando quisesse.  De certa forma, continuar a ser a reserva que se permanece intacta após quedas imensas, que não desaparece assim que se torna inacessível, foi como guardar na tal reserva o bom vinho para depois.
A vida continua, mas as reservas ficam. E os bons vinhos para os grandes momentos, também.
A vida muda, mas o coração ainda é o mesmo...  
Reservei a melhor pessoa que sou, guardei o que de melhor havia para guardar, e permaneci lá. Guardada até que se desfrute. Até que a encontrem. Lá. Guardada. 
Sou a reserva que vai guardando em mim, e no coração: Aquilo que gostava que tivesse na vida. 
Até que os brindes me encontrem.
- à nossa. 
Que há-de vir. Um dia.
Vou indo... 

Estarei por aí. 




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nas asas da incerteza

Miraculosamente, deixe-me ir. Mudei a rota e acho que nunca tinha encontrado um caminho tão certo como este.
Despedi-me de todos os sítios por onde passámos e despedi-me de ti. Calculei as distâncias antes das paragens e cheguei à conclusão que era diariamente a minha trajectória diária. Passar por ti, nos sítios onde fomos felizes.
Deixei de tomar café pela manhã, deixei de frequentar os cafés da zona. Mudei de cidade, encontrei pessoas novas. Mudei por necessidade de sair de mim e da prisão onde estava. Ainda oiço música pela manhã e depois do almoço. Ainda escolho o banco vazio da ponta para que não haja confusão na saída e para que ninguém repare na minha ausência. São das poucas coisas que não mudaram.
Encontrei tantos estranhos que me perdi mas não pude voltar atrás. Mudou maioritariamente as pessoas com quem converso, com quem partilho momentos... Embora ainda haja pessoas que eu visito de propósito, porque a sua companhia é indispensável.
Deixei de ser ingénua ao ponto de achar qu…

Sonhos inacabados

Regressei à idade dos "porquês" porque não consigo entender...
Tenho 60 anos e acho que estou a entrar em decadência... A idade não perdoa mas há coisas que eu própria, não consigo perdoar. Estou desiludida com a vida e sei que a vida está desiludida comigo. Falhei... Fui deixando sonhos para trás, fui escolhendo as coisas à medida que os problemas iam aparecendo, e mal ou bem, iam-se resolvendo, até perceber que hoje, não me sinto realizada com a vida que tenho.
O meu marido acha que eu já não preciso da atenção, da preocupação dele, deixa-me sozinha vezes sem conta. Acha que eu fico sempre bem porque lhe transpareço isso, mas custa-me imenso fingir que está tudo bem quando não está, quando sinto que não está...
Reencontrei o meu namorado da juventude e não gostou que isso tivesse acontecido. Porquê? Há tanta coisa que recordei e que me voltei a rir. Há tanta parte dele que guarda as minhas gargalhadas nos olhos, beijos que ficam na memória e eu acho que o melhor de tudo é rir…

Aguardo pelos reencontros

Estou aterrorizada quando devia estar sossegada envolvida nos pensamentos. Vi os seres mais importantes da construção da minha pessoa partir em busca de mais sabedoria, um futuro melhor, um emprego naquilo que gostam.
Estou muito feliz por eles. Por mim não estou nada, porque fiquei. A vê-los. Através de fotos. Em mensagens que troco com poucos, mas fundamentais. Aqueles que eu não me importo nada de ver e rever, lembrar e relembrar. Os melhores que a vida me deu. Espero também lhes ter dado muito.  A cada dia que passa, acho que já perco quem está quanto mais quem anda por lá. Por lá, nas asas da Faculdade. Tenho plena noção que sou um ser melancólico e sentimentalista para pensar e escrever sobre isto. Ainda não sei bem porquê, vivo intensamente as coisas, todos os momentos, todos os dias. Custa-me imenso já não me cruzar com eles no intervalo do Secundário.  Fiquei para trás por burrice, e ainda hoje não sou capaz de aceitar esse contratempo. Pago muito caro hoje por isso: não os t…